14 Dec 2017

Fundo de conservação lança novo investimento para proteger a natureza do Mediterrâneo

Do enorme Pelicano-Dálmata nos Balcãs, às arvores vulneráveis no Médio Oriente e às tartarugas nidificantes no norte da África, a natureza nos países em desenvolvimento do Mediterrâneo recebeu uma nova esperança de preservação, restauração e proteção, através de uma segunda fase de investimento do Fundo de Parceria para os Ecossistemas Críticos (CEPF), que será gerido pela BirdLife International por mais cinco anos.

By Liz Smith

A Bacia do Mediterrâneo é o segundo maior "ponto quente (hotspot) de biodiversidade" no mundo, suportando quase 300 espécies de mamíferos (38 endemismos terrestres), 534 espécies de aves (63 espécies endémicas), 622 espécies de peixes de água doce e 308 espécies de répteis (quase 40% são endémicas). No entanto, o rápido desenvolvimento económico, uma população humana em expansão e 32% dos turistas internacionais do mundo inteiro, estão a criar um uma pressão sem precedentes sobre os habitats de água doce, marinhos e terrestres no Mediterrâneo - agravado pela falta de sistemas eficazes de planeamento e gestão.

Esses fatores levaram o CEPF a investir no hotspot em 2012 (um dos 35 hotspots de biodiversidade que se encontram ameaçados em todo o mundo). Ao longo de cinco anos, o CEPF concedeu 108 subvenções, financiando 84 organizações diferentes (90% das quais eram locais no Mediterrâneo) em doze países. Durante este período, muitas organizações da sociedade civil foram fortalecidas para desenvolver trabalho de conservação em áreas chave de biodiversidade (KBAs), projetos nacionais e iniciativas transfronteiriças, criando impactos duradouros e projetos de melhores práticas.

No total, mais de US $ 11 milhões foram investidos num impacto positivo no Mediterrâneo, incluindo o estabelecimento de novas Áreas Protegidas, criação de novas leis ambientais, benefício de comunidades locais, estabelecimento de novas redes de conservação e preservação de habitats para espécies ameaçadas.

No entanto, o Mediterrâneo encontra-se sob a ameaça continuada de múltiplas pressões ambientais e socioeconómicas, e é preciso suporte adicional. Para responder a esta necessidade e construir sobre a ação dos beneficiários do CEPF, o CEPF decidiu reinvestir US $ 10 milhões no hotspot, prosseguindo com a plataforma essencial para a sociedade civil trabalhar na conservação da natureza.

Novas chamadas à apresentação de propostas serão anunciadas através do nosso boletim CEPF Med (inscreva-se abaixo), das contas do Facebook e do Twitter e dos canais BirdLife, mantenha-se ligado e a par das últimas noticias.

© Borut Rubinic

Mais informações

Uma nova estratégia de investimento para a região

Para construir sobre os sucessos conquistados e fortalecer a comunidade de conservação que trabalhou nos habitats e temas da primeira fase de investimento, o CEPF continuará a financiar esforços em zonas costeiras e bacias hidrográficas. Para além destas, novas áreas de foco destacadas no processo de elaboração do Perfil do Ecossistema (ver abaixo) foram incorporadas na nova Estratégia de Investimento do CEPF para a Bacia do Mediterrâneo.

A segunda fase do CEPF foca cinco áreas principais: três ecossistemas prioritários (zonas costeiras, de água doce e de gestão tradicional), um grupo de espécies-chave (plantas) e a capacitação das organizações à escala regional.

Os projetos financiados precisam ter como objetivo principal a conservação da biodiversidade. O CEPF investirá principalmente em ações de conservação baseadas em sites, com especial atenção aos projetos que também podem garantir a sustentabilidade através da capacitação das organizações locais da sociedade civil.

O CEPF apoia ações de conservação em países em desenvolvimento. A elegibilidade de certos países e KBAs será claramente definida em cada futura Chamada de Propostas. Os candidatos a financiamento do CEPF são encorajados a rever a Estratégia de Investimento para garantir que suas propostas de projetos estejam de acordo com a visão do CEPF. Estas e outras informações podem ser consultadas nos seguintes documentos:

  • Perfil do Ecossistema Inglês (PDF - 31 MB)
  • Resumo Técnico do Perfil do Ecossistema Inglês (PDF - 2.1 MB)  / Francês (PDF - 5 MB) / Árabe (PDF - 2.7 MB) 

 

O estado atual da Bacia do Mediterrâneo: o Perfil do Ecossistema

O CEPF baseia a suas estratégias de investimento para cada hotspot de biodiversidade num Perfil de Ecossistema. Este é um documento extenso que descreve o estado de conservação da região, abrangendo questões socioeconómicas, ameaças à biodiversidade e os dados existentes sobre flora e fauna.

O primeiro investimento do CEPF no Mediterrâneo foi baseado no Perfil de Ecossistema compilado em 2010. Mas muito pode mudar em poucos anos - ocorreram muitas mudanças políticas nesta região (por exemplo, a Primavera Árabe), e mudou também a disponibilidade de informações e informações (como a descoberta de Olm, uma salamandra cavernícola, em Montenegro – através de um projeto CEPF). Portanto, após cinco anos de investimento CEPF, considerou-se essencial atualizar o Perfil do Ecossistema, para garantir a nova fase de financiamento.

Um consórcio de organizações liderado pela BirdLife International (veja abaixo) e a UICN colocou novamente a conservação na Bacia do Mediterrâneo sob destaque. Mais de 500 pessoas que representam governos locais, comunidades, empresas e organizações da sociedade civil no hotspot do Mediterrâneo contribuíram para o processo de criação de perfil através de uma série de reuniões, workshops e consultas on-line. Através da integração dos pareceres técnicos, foi conseguida uma atualização extensiva dos dados, e a revisão dos limites das KBAs, assim como uma análise abrangente dos fatores socioeconómicos e envolvimento da sociedade civil na conservação.

Um dos conceitos fundamentais do Perfil de ecossistema é a definição de “resultados de conservação”, referindo-se a todo um conjunto de metas de conservação a ser alcançado num hotspot para evitar a perda de biodiversidade. Para este fim, eles são definidos em três escalas, representando: (i) as espécies globalmente ameaçadas dentro da região; (ii) os sites que os sustentam (ou seja, KBAs); e (iii) os corredores necessários para manter os processos ecológicos e evolutivos dos quais esses sites dependem. O nicho e estratégia de financiamento do CEPF são baseados nesses resultados e definem as prioridades de financiamento do CEPF nos próximos cinco anos. 

O processo de atualização do Perfil do Ecossistema foi liderado pela BirdLife International e um consórcio de parceiros: UICN, Tour du Valat, Conservatório do Littoral e três Parceiros BirdLife de organizações mediterrâneas - Sociedade Española de Ornitologia (SEO, BirdLife, Espanha), Društvo za opazovanje em proučevanje ptic slovenije (DOPPS, BirdLife Slovenia) e Association Les Amis des Oiseaux (AAO, BirdLife Tunísia). A atualização foi possível graças ao apoio da Fundação MAVA, da de Fundação Príncipe Alberto II do Mónaco e do CEPF.

 

A Equipe de Implementação Regional

A BirdLife International, em parceria com os Parceiros nacionais LPO (BirdLife França) e DOPPS (BirdLife Slovenia), tem o prazer de anunciar que continuará a liderar a Equipe de Implementação Regional (RIT) no Hotspot da Bacia do Mediterrâneo. Nos últimos 5 anos, a RIT orientou o financiamento do CEPF para as áreas mais importantes e até mesmo para as organizações mais pequenas, ajudou a construir a sociedade civil na região e compartilhou lições aprendidas e melhores práticas.

As conquistas dos beneficiários do CEPF e seus parceiros de projetos na primeira fase de investimento foram tremendos. Paralelamente aos impactos diretos de conservação, também foram criadas parcerias importantes através do Comité Consultivo e as colaborações com outras iniciativas-chave na primeira fase foram fundamentais para impactos de ampliação do projeto.

A BirdLife gostaria de agradecer a todos os indivíduos e organizações que prestaram seus conhecimentos e conselhos para o desenvolvimento do primeiro portfólio ou projetos, bem como a dedicação aos beneficiários do CEPF.

A RIT pretende desenvolver sobre esses sucessos de conservação e lições aprendidas, e continuará a construir redes e expandir a comunidade durante a segunda fase do investimento do CEPF.

Se tiver alguma dúvida sobre qualquer um dos assuntos acima, envie um e-mail para cepf-med-rit@birdlife.org. Vamos anunciar novos convites à apresentação de propostas através da nossa newsletter, Facebook e Twitter, por isso mantenha-se ligado para saber as últimas notícias. 

© CEPF

 

Inscreva-se no boletim informativo!

 

The newsletter is available also on Français and عربي.

 

 


www.birdlife.org/cepf-med

 

O Fundo de Parceria para os Ecossistemas Críticos (CEPF) é uma iniciativa conjunta da Agence Française de Développement, da Conservação Internacional, da União Europeia, do Fundo Global para o Meio Ambiente, do Governo do Japão, da Fundação John D. e Catherine T. MacArthur e do Banco Mundial.
Um objetivo fundamental é garantir que a sociedade civil esteja envolvida na conservação da biodiversidade.
 
 
CEPF é mais do que apenas um provedor de financiamento:
Uma Equipe de Implementação Regional dedicada (RIT) (oficiais especialistas no terreno) orienta o financiamento para as áreas mais importantes e até mesmo para as organizações mais pequenas, ajuda a construir a sociedade civil na região e compartilha lições aprendidas e melhores práticas. No Hotspot da Biodiversidade da Bacia do Mediterrâneo, o RIT é confiado à BirdLife International e aos seus parceiros nacionais LPO e DOPPS.